terça-feira, 12 de junho de 2007

Ó mãe, tu odeias-nos, não é?

"Ó mãe, tu odeias-nos não é?"
Foi assim que ontem o J. me falou depois de eu o mandar arrumar os barcos dos piratas que estavam estrategicamente colocados à entrada do sótão, no sítio onde devia estar uma porta...
Foi assim que ele reagiu depois de eu gritar ao G. para ele apanhar as 3 caixas que tinha acabado de virar no mesmo sítio, antes de se pôr todo nu e começado a correr pela casa para "afinfar" no primeiro desprevenido que lhe aparecesse...
Foi assim que o J. me falou e me entristeceu numa das (muitas) noites em que estou sozinha a fazer-os-trabalhos-de-casa-com-eles-dar-lhes-banho-fazer-o-jantar-dar-lhes-o-jantar-e-os-medicamentos-arrumar-a-louça-responder-às-suas-milhentas-perguntas-simultâneas-e-separá-los-nas-lutas-e-discussões-de-5-em-5-minutos........
Já sem voz e sem ânimo, depois de ter tentado manter o G. no quarto por mais de 10 segundos (dizem os livros que deviam ser 3 minutos) a pensar nas asneiras que tinha dito e feito e nos nomes menos próprios que chamou à mãe, foi assim que o J. me falou...
Disse-lhe com a tranquilidade que me restava:
- Eu não vos odeio, eu amo-vos! Se eu vos odiasse, vocês deitavam-se tarde e ficavam todo o tempo a ver televisão; se eu vos odiasse, vocês não arrumavam os brinquedos nem saberiam nunca onde eles estão; se eu vos odiasse vocês comiam todas as porcarias que vos apetecesse, especialmente as que só precisam de ser desembrulhadas e eu nem sequer tinha que fazer jantar; se eu vos odiasse vocês nunca precisavam de estudar e nunca sentiriam o prazer de aprender; se eu vos odiasse, não saberiam ser educados nem respeitar os outros. Se eu vos odiasse, vocês seriam livres para fazer o que que quisessem, sobretudo as asneiras! Eu sou má porque vos amo, eu sou dura, porque vos quero ensinar a gostar e a respeitar os outros, para que sintam o prazer de ser amados. Eu sou uma peste porque cismei que hei-de fazer de vocês uns homenzinhos! Este é que é o meu problema, é que eu vos amo!
Ufff, respirei, acabei os banhos, o jantar, dei-lhes de comer e arrumei a louça e só o G. é que não acalmou até à hora de dormir.
Nestes momentos, lembro-me sempre de um texto que li um dia.
Espero que um dia percebam o tamanho do meu amor por eles!!!

4 comentários:

Anónimo disse...

Ups! Onde é que eu já vi esse filme?
Quando venho no carro com os meus a cada final do dia e pergunto o que fizeram, o que comeram, como estiveram começo a ouvir: " porque é que queres saber sempre tudo?"
Força rapariga!

Ana Sousa disse...

É claro que sim!
Mau é "voltar atrás" no tempo e termos consciência que não fizeram isso por nós!
E isso eles não vão ter de certeza!!

:)

graça disse...

Boa Tarde Isabel

Todas nós mães já nos defrontamos com situações identicas, o que é necessário é saber conduzir-las, aí a Isabel é eximia.
Os meus filhos sempre quiseram testar qual seria o limite, e aí sempre fui firme e penso que agora que têm 11 anos entendem, mas quando eram mais pequenos faziam todas as birras que os seus muitos fazem. Continue a ser a excelente mãe que é e um dia vai ouvir um comentario de um dos seus filhos relativamente ao comportamento menos próprio de algum amigo "... sabes provavelmente não lhe ensinaram o que está certo e o que está errado... " ( eu já ouvi algumas vezes ) . Bjs Graça ( a mãe dos gémeos )

Alice disse...

ufa, eu só tenho uma, mas percebo-te perfeitamente!
E não é que a M. tem a mesma mania de se pôr toda nua e começar a correr pela casa!! :)