quarta-feira, 2 de abril de 2008

a verdade da mentira

A L.:

- Ó mãe, toda a gente mente?
- Às vezes.
- Às vezes mente-se de pingas de leite..."Enganei-te, enganei-te, com uma pinga de leite..." Mentir assim não faz mal, pois não? Porque a seguir diz-se logo a verdade, não é? É melhor dizer a verdade porque assim o castigo é
menor. Se se mentir o castigo é maior.

O J.:

- Ó mãe, a L. nunca mentiu?
- ... não...
- Nunca???
- Nunca.
- Só mentiras de pingas de leite. - diz ela.

Não mesmo, a L. nunca mentiu.
Nem eu entendo como é que ela consegue, mas a verdade é que nunca disse uma mentira.
Só espero que eles não me perguntem se eu já menti...

4 comentários:

Carla Morais disse...

Já sei que eles aprendem muito melhor com os nossos exemplos do que com o que lhes dizemos... mas às vezes é tão difícil ser exemplar!

Então lembraste-te de mim hoje? :-)))
Uma beijoca!

Tereclopes disse...

Pois é! algum lá terás que enfrentar essa pergunta...

Elsa Castelo disse...

O problema não é a pergunta relativamente ao passado, pois mesmo que lhes digamos que nunca mentimos, eles não podem ir comprovar.
O problema é se lhes dizemos que nunca iremos mentir e depois eles nos apanham.
Por isso, das duas uma, ou somos francos e lhes explicamos a complexidade da questão, ou então temos mesmo de dar o exemplo ...

Belém disse...

Não tardará... Mas tudo isso é pacífico quando há bom senso. Eles também aprendem com o tempo que os pais têm pequenos "deslizes" mas isso também nos torna humanos aos olhos deles, não é?